Boteco do Beco

sábado, 15 de novembro de 2008

Quem somos e quem achamos que somos?


Essa é uma pergunta que eu venho me fazendo com certa frequência... Nos poucos momentos de reflexão que disponho do meu dia, constantemente me pergunto: quem é o Paulinho que as outras pessoas enxergam?
Temos (na maioria das vezes) uma idéia errada da imagem que as pessoas vêem de nós. Achamos que as pessoas "engolem" aquela imagem que queremos passar. Pegando como exemplo eu mesmo, já percebi que o Paulinho Biazi que eu apresento para as pessoas e que eu acho que apresento para as pessoas nem sempre é o Paulinho Biazi que as pessoas percebem. Há alguma coisa nesse intermédio que modifica a imagem do que eu acho que apresentei para o que a pessoa recebeu e interpretou!
Quem somos nós afinal para os outros? É fácil (e as vezes não) dizer quem somos nós para nós mesmos, mas imagine que existisse alguém exatamente como vc e que convivesse com vc... Será que vc se daria bem com essa pessoa? Será que sua convivência seria passífica entre vc e esse seu "espelho"? Dizem que temos dificuldade em conviver com pessoas que se parecem com a gente. Será verdade?
Você conhece as várias pessoas que existem dentro de você mesmo(a)? As várias personalidades que vc tem? As várias máscaras que vc apresenta para a sociedade? Pára pra pensar um pouquinho e relembre das situações que vc teve que se mostrar um "camaleão" para disfarçar uma personalidade... Será que nós conhecemos quem nós realmente somos?
As vezes ficamos tão soterrados pelas máscaras que vestimos para nos apresentarmos para a sociedade que acabamos por nos esquecer de quem somos realmente. Esquecemos daquela verdadeira personalidade que as vezes temos vergonha ou medo de apresentar. Tudo isso pq temos medo de sermos rejeitados ou repelidos pela sociedade. Esta sociedade que classifica, que julga e que rotula as pessoas acaba colocando sobre nossas costas um fardo da qual nem sempre devemos carregar que é o fardo da "simulação". Simulamos no dia-a-dia um alguém que não somos. Acabamos por criar um grande conto-de-fadas em que nos tornamos o principal personagem, encenando um papel que nem sempre condiz com a verdade intrínseca que está em nosso âmago. E esse fardo pesa... E esse fardo nos massacra a cada dia... A cada situação em que temos que nos fantasiar de algo que não somos. Isso nos desgasta até chegar o ponto em que entramos em colapso sem saber quem realmente somos e qual papel estamos encenando neste teatro da vida.
Os psicólogos dizem que é tudo culpa do stress, mas é um stress causado por nós mesmos, pois trabalhamos dobrado para representar um personagem e convencer as pessoas à nossa volta que este personagem existe. Não seria melhor sermos nós mesmos e enfrentarmos a consequência disso? Pelo menos não estaríamos lutando por algo real? Não estaríamos defendendo o verdadeiro protagonista desta história?
Mas o medo... Este medo que acorda com a gente e que nos acompanha passo a passo... O grande medo da exclusão. O medo de ser diferente, de ser original, de ser você mesmo.
Quem é você? Quem as pessoas acham que você é? Como a sociedade te vê? Será que ela te vê como você é ou como você quer se apresentar pra ela?
É como nos domingos, quando vestimos nossa melhor roupa para passear no parque e as pessoas dizem: "Oh, como é bela aquela roupa, grande homem deve ser aquele..." Então chegamos em casa e tiramos aquela roupa. Ficamos nus. Esta imagem só nós conhecemos, a imagem do nosso verdadeiro "eu", sem roupas, sem máscaras, sem maquiagem.
Corra o risco de mostrar para as pessoas quem é você. Mas quem é o verdadeiro você. Este "você" que está com medo, escondido em um canto da sua personalidade. Comece com as pessoas que vc acha que realmente gostam de vc. Seja sincero e peça sinceridade, pois garanto que este "eu" verdadeiro não estará preparado para o mundo. Então vá moldando-o... Vá educando-o para o convívio social e quando você menos perceber, estará vivendo livre, sem as algemas psicológicas que já vêm enrraigadas na nossa personalidade. Perceba que a vida ficará mais leve, mais gostosa de se viver e menos estressante, pois não teremos mais o trabalho de vivermos uma história que não é nossa.
Viveremos nós mesmos, seremos quem realmente somos e isso será tão bom quanto assistir uma bela peça teatral.

Não represente um papel na qual o personagem principal é você mesmo, porém você tem medo de encená-lo.

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Ser independente? Devolva-me aos 7 anos!


Pois é... daqui uns dias estarei completando 26 anos. Foram 26 anos de muitas estradas e me lembro bem de quando era mais novo e bradava pelos quatro cantos a frase adolescente mais clichê que já ouvi na vida: "não vejo a hora de ser independente!" Mal sabia eu a bobagem que eu tava dizendo! Mas é aquela velha história... falar, até papagaio fala, mas quando a água bate na bunda, ai a gente sente o peso nas costas de realmente ser independente.
Não tou falando dessas pseudo-independências do filho que sai de casa e vai morar sozinho em outra cidade por causa da facul (sem alusões, ok?), mas continua a ser sustentado pelos pais! Nem daquela falsa idéia de que ser independente é, puro e simplesmente mandar no próprio nariz e sair de casa sem se preocupar com a hora de voltar e não ter que dar satisfação pra ninguém. Ser independente está muito, mas muito além disso! Tanto que eu só descobri isso esse ano!
2008 foi um ano de "conquistas" pra mim. Conquistei minha verdadeira independência, mas é aquela dura, crua e sórdida independência que não passa a mão na sua cabeça e nem te dá bjinho de boa noite antes de dormir! Nem aquela de quando vc largou a colherzinha de plástico e passou a comer de garfo, ou aprendeu a limpar a própria bunda! É a independência escarrada na sua cara cheirando à verdade e te mostrando da forma mais agressiva que se você não acordar todo dia as 07 da manhã e pegar um busão, vc não trabalha! E que se vc não trabalhar, você não come! E que se vc não comer, vc não terá forças suficientes pra pegar o busão no outro dia pra trabalhar! E sem trabalhar vc não tem dinheiro! E sem dinheiro vc não paga as contas: Facul, energia, água, aluguel, internet, impostos, farmácia, mercado, alimentação, gás, roupas, presente pra namorada, transporte, buteco, motel, móveis, manutenção da casa... O melhor de tudo é quando vc, final do mês soma as contas e descobre que por mais que você as enxugue, elas continuam maiores que seu salário. Maldito círculo vicioso que fielmente estupra meu orçamento todo mês!!!
É... tou morando por conta agora. Desde o começo do ano (2008) estou por conta própria. Metaforicamente, empurraram minha vaquinha e desde então tive que aprender a plantar. Uma ajuda aqui, outra ali, mas é apenas ajuda. Nada compromissado ou regido por contratos de patrocínio. Atualmente moro na Casa do Rock com mais 4 músicos, mas a coisa aqui não é fácil. A vida não é e nunca foi um mar de rosas pra quem tem que cavar com as próprias unhas as oportunidades e saber tirar leite de pedra. Sabe aqueles dias que vc tem que almoçar pipoca e jantar mingau de fubá pq não tem grana pra comprar o rango? Não sabe? Ah é, talvez vc não seja ainda independente. Não que ser independente esteja diretamente ligado a passar fome, mas pra quem não é favorecido por alguma gorda herança ou por pais que se sacrificam todo mês pra depositar aquele suado dinheiro na sua conta (e que vc enfia no cu gastando com amigos, festinhas, baladas e roupinhas de griffe pra ficar na moda), vc tem que se virar do jeito que der pra arrumar grana! Passar o dia no trampo, varar a noite fazendo bico de publicitário e fim de semana tirar uma grana de free tocando em algum lugar. As olheiras agradecem! Quando você perde todas as suas fontes externas de renda e precisa ralar pra ganhar dinheiro, ai sim meu amigo... esse é o primeiro passo pra sua independência. E se prepare pq qualquer soco bem aplicado na boca do estômago vira um singelo carinho quando se passa por essa transição.
Me lembro da minha festinha de 7 anos como se fosse a 19 anos atrás... (pausa, suspiro e olhar de quem não se lembra bem da festinha). Enfim, me lembro vagamente da minha festinha de 7 anos, mas lembro que tinha balão, brinquedinhos pros convidados, bolo, salgadinho, docinho, refrigerante, eu estava de terninho branco, tinha até a Xuxa cantando e dançando na festa (uma prima minha fantasiada, ok?) e super heróis em cartazes por todos os lados... Sabe o que é melhor de tudo? EU NÃO PRECISEI FAZER ABSOLUTAMENTE NADA para que tudo isso acontecesse. Ou melhor, a única coisa q eu tive que fazer era fazer aniversário! Só! Mais nada! Não gastei com nada, não perdi tempo organizando, não me desdobrei entre emprego, banco, e facul pra poder realizar a festa. Tava lá, tudo pronto... me esperando! Lembro-me de que nesses anos felizes, as únicas coisas que eu tinha que fazer (obrigações) era ir pra escola de manhã, fazer a tarefa a tarde e mais nada! Nada dessa bobagem de ser independente ou de "fugir de casa pq morar sozinho é melhor".
Confesso que no auge dos meus 15/16 anos pensei em fugir de casa, mas quem não pensou nisso um dia? Talvez se eu tivesse feito a fuga, teria descoberto com antecedência o quão é foda ser independente e teria voltado pra casa no dia seguinte como um cão de rabo entre as pernas. Hoje esse cão não pode mais voltar pra casa. Não se sabe ao certo se é por orgulho ou pq realmente chegou a hora de virar homem e viver por conta própria. Apenas sei que chegou a hora de parar de olhar o frango utopicamente rodar na padaria e se virar pra descolar algumas migalhas. A vida é muito mais bela quando se olha ai de cima sabendo que a única preocupação que você tem é se seu pai vai depositar o dinheiro na sua conta no fim do mês. A vida, daqui de baixo cheira a esgoto e tem gosto de realidade, mas é a forma mais gratificante de ser alguém na vida. É saber que por mais pouco que você tenha, é seu! Comprado ou conquistado com seu suor e sacrifício! Coisas assim dinheiro (dos outros) nenhum compra.

Ser alguém, não por hereditariedade, mas por merecimento. Independente, fudido e cheio de contas, porém feliz por poder sair sem hora pra voltar, mas saber que 22h preciso estar de volta pq a responsabilidade me chama ao trabalho no outro dia. A liberdade é o que nos prende!

Independência se conquista com suor e isso te impele à responsabilidade de saber administrar sua independência de forma ordenada, ou então tudo vira bagunça e vc volta a ser um simples mortal sustentado por alguém.



Que saudades da época que eu e meu amigo imaginário tinhamos tempo de ter tempo!


*************************************************************************************
(Aos que se doeram com o texto, encare como uma crítica construtiva de alguém que nem o pão que o diabo amassou comeu, pq não tinha pão, só o diabo rindo da situação.)

domingo, 28 de outubro de 2007

Acredite! Lute! Vença!


Hoje de madrugada sentei lá fora pra pensar um pouco... Comecei a pensar sobre "vencer".
Esse vencer pode ser desde uma partida de damas até uma eleição a presidente. Pensei também no tanto de pessoas que eu já vi dizer "eu não consigo" e percebi o quanto isso faz mal a elas...
Quando se diz "eu não consigo", naturalmente vc não irá conseguir mesmo, pois vc se faz acreditar nisso. Dizer "eu não consigo" é como se vc já tivesse fracassado sem ao menos ter tentado.
Acreditar que somos capazes é impelir nosso senso de conquista, afastando assim o medo de arriscar e não conseguir.
Vencer, conseguir, acreditar são coisas que devem fazer parte dos nosso dias, independente do que digam. Expressões como "você não vai conseguir" ou então "você não é capaz" devem entrar por um ouvido e sair por outro e não deixar que coisas baixas assim te abalem.
Somos capazes de conseguir tudo que quisermos conseguir. Algumas com muito esforço, outras com menos, mas todas exige luta, garra e perseverança.
Nessa vida de meu Deus já escutei muita coisa que tentou me derrubar e algumas delas, confesso, quase conseguiram... Mas isso que escrevo pra vocês agora não é nada além do reflexo de coisas que aprendi desde muito cedo. Por mais que aparecessem pedras no caminho, mas pude contar com pessoas que me motivaram e me deram forças pra retirar essas pedras ao invés de dar meia volta.
Retirar as pedras do caminho. É disso que precisamos para alcançar nossos objetivos. E quando essas pedras tornarem-se pesadas demais, que peçamos ajuda aos que estiverem perto. Uma vitória dificilmente se consegue sozinho, mas quando se é privilegiado pelo cooperativismo, então o trabalho é menos árduo e a vitória é mais certa.
Acredite em você mesmo e acredite que você é capaz de mover montanhas. Confie mais no seu potencial e ache dentro de você a chave para abrir todas as portas da conquista.

Verdadeiras conquistas são baseadas em suor e perseverança.
É preciso acreditar para perseverar.
Acredite, antes de tudo, em você mesmo e mostre para o mundo que você é capaz!


sexta-feira, 19 de outubro de 2007

PRA GNT BUNITA E TOP DE LINHA


Outro dia, passeando pelas minhas comunidades no Orkut, eis que me deparo com o seguinte tópico:

COMUNIDADE PRA GNT BUNITA E TOP DE LINHA
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=3056... Qm é TOP party heim.....;]

Na hora eu pensei: "qual será o conceito de "gente bonita" e "top de linha" para o autor desse tópico? E pq as pessoas têm essa incontrolável ânsia de estar entre os "bonitos" e os "top de linha"?
Sei lá... Eu tinha um amigo que para os meus padrões de beleza, ele era feio pra porra, mas pra mim era um cara "top de linha", pois tinha um coração que não cabia no peito e sua amizade era imcomparável. Ao contrário, já tive conhecidos que são lindos pelos padrões de beleza da sociedade e quem sabe, até para os padrões do autor do tópico, mas a pessoa não valia o que peidava... Um cidadão desse não é "top de linha" pra mim e muito menos "gente bunita".
As vezes eu me acho bonito, as vezes me acho feio e as vezes nem me acho na frente do espelho de tanta importância que dou para esse tipo de conceito.
O que é a beleza afinal? Olhos azuis? Nariz pequeno? Seios durinhos? Corpo tonificado? Eu fui procurar o conceito de "top de linha" e olha o que achei: "...aparelhos que possuem tecnologia e modelo de última geração..."
Ai eu pergunto: de que vale o aparelho ser de última geração se a durabilidade e a confiabilidade são suspeitas?!?!?
Pra ser mais exato, vou dar um clássico exemplo que eu sempre costumo dar:
Imagine que vc está num supermercado comprando ingredientes para fazer uma lasanha no domingo. Você precisa comprar milho verde, certo? Então vc chega nas prateleiras dos milhos, mas têm duas marcas que chamaram sua atenção: a marca X e a marca Y.
A marca X vc já conhece... Latinha linda, com a foto de uma mulher sorridente colhendo um milho no campo... A latinha tem sistema "abre-fácil", é anti-térmica, anti-estática, anti-aderente e anti-derrapante. Têm aerodinâmica e é anatomicamente correta perante as leis de Deus e as leis dos Homens. Sem modéstia, uma latinha "top de linha", "bonita" de se ver. Mas tem um porém... Da última vez que vc comprou a marca X, viu que por mais que a latinha fosse linda de se olhar, daquelas de encher os olhos d´água, o milho era uma bosta! Duro, sem gosto, sem sal e com uma coloração meio suspeita, beirando um azul turquesa.
Já a marca Y também tem sua latinha, porém é uma latinha bem mais simples. Daquelas de abrir com abridor de latas ainda. Cilíndrica, fosca e ainda com um amassadinho no canto. Melhor dizendo, uma latinha básica, sem muitos requintes. Mas tem um detalhe importante: você também já comprou da marca Y e sabe que por mais simples que a latinha seja, o milho é excelente! Macio, saboroso, amarelinho e graúdo.
O preço (por incrível que pareça) das duas marcas é exatamente o mesmo!!! Agora responde: qual das marcas vc levaria? a X ou a Y?
Se a sua resposta foi X, nem termine de ler esse texto. Você não vai entender patavinas daqui pra frente e acho que já deu a hora de vc ir pra sua academia malhar o corpo.
Agora, se a sua resposta foi Y, então vc é um daqueles que assim como eu, dão valor para o conteúdo! Sim, meus caros, o conteúdo de cada um! Se para o autor, "gente bunita" e "top de linha" são as gostosas malhadas e os pitboys motorizados, então acho que não sou "bonito" e muito menos "top de linha".
Agora eu pergunto: Peito cai, dentes caem, cabelo cai, pinto cai, bunda cai, barriga cai. A gravidade é desgraçada com o ser-humano e isso é quase que religiosamente imutável. Quando aingirmos a nossa melhor idade e a nossa latinha já não estiver mais essas coisas, o que nos sobrará? Qual será o tipo de milho que nós guardamos dentro de nós?
No fim, sobrará a experiência, a boa companhia, o carisma, a simplicidade e a beleza interior. Nada de barrigas de tanquinho ou peitos com silicone.
Gente "bonita" e gente "top de linha" para mim, são aqueles que acima da aparência, carregam uma beleza interior tão grande que ofusca os padrões hipócritas que essa nossa sociedade plastificada nos impõe.

Ser "bonito" e "top de linha é fácil". Difícil é ser amado e querido pelo que você é e não pelo que você tem.

E então, "top de linha", que tipo de milho você é?


sexta-feira, 17 de agosto de 2007

Petisco...

"Não quero cruzar a vida na ponta dos pés pra chegar são e salvo até minha morte."

(autor desconhecido)

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

MANUAL DO ANJO DA GUARDA - 1ª parte

nº 1 - Ame e cuide do seu protegido(a) com todas as suas forças!
Cuide dele(a) como se estivesse cuidando da coisa mais preciosa que possa existir pra vc.

nº 2 - Arrisque sua vida por ele(a) se preciso!
Pense que sem seu protegido(a) seria como se vc não existisse. Se como sua vida e a dele(a) estivessem interligadas e fossem co-dependentes. E lembre-se que vc existe apenas e unicamente pra isso: cuidar e guiar seu protegido(a).

nº 3 -
Passe seu tempo com ele(a)!
E faça esse tempo ser o tempo mais importante pra ele(a). Faça com que 5 minutos valham por 5 séculos.

nº 4 - Não meça esforços!
Faça o dia virar noite, faça o céu virar mar, faça as montanhas se moverem, mas nunca diga que vc não pode ajudar. Nunca diga que é complicado demais. Dê o máximo e além do máximo pelo seu protegido(a), mesmo que vc não veja de onde tirar forças para tal.

nº 5 - Acredite!
Não deixe que pessoas digam pro seu protegido(a) que coisas são impossíveis! Qualquer coisa é possivel quando se acredita e quando se confia. E sempre mostre confiança para seu protegido(a), pois quando ele(a) cair, é em vc que ele(a) se apoiará.

nº 6 - Brigue!
Se preciso, dê uns puxões de orelha no seu protegido(a), mas sempre de forma sutil pra não machucar, mas sim pra fazê-lo(a) perceber que se planta o que se semeia. E que as más colheitas passadas não são de todas ruins, pois é assim que aprendemos a selecionar melhor as sementes que plantaremos.

nº 7 - Sempre esteja atento!
As vezes um simples sorriso do seu protegido(a) quer expressar coisas que as palavras não conseguem. Esteja sempre perceptivo para conseguir captar tudo que seu protegido quer lhe dizer, mesmo que inconscientemente.

nº 8 - Faça-se presente!
Por mais que, por algum motivo ou outro vc esteja um pouco distante fisicamente do seu protegido(a), mas faça que ele sinta sua presença a cada respirada que ele(a) der. Ligue, mande cartas, mande e-mail, mande até um sinal de fumaça, mas não deixe seu protegido pensar em momento algum que vc o(a) abandonou.

nº 9 - Seja a projeção do seu protegido!
Saiba seus segredos e conte os seus pra ele(a). Saiba seus medos e compartilhe os seus com ele tbm. Faça com que ele(a) se torne parte de vc e seja parte dele(a). Seja íntimo dele(a) a ponto de quando ele(a) olhar no espelho, ver sua imagem refletida. E não confunda intimidade com invasão de privacidade. Nunca perca de vista essa linha estreita que separa uma coisa da outra.

nº 10 - Confie no seu protegido(a)!
Acredite no que ele(a) diz. Por mais mentiroso que pareça, mas acredite. E se ele(a), em algum momento mentir para vc não o julge por isso. Dê uma segunda chance mas deixe claro que se ele(a) mentir de novo, saiba que ele(a) nunca foi seu protegido(a) e vc nunca foi anjo dele(a). Relações entre Anjos e Protegidos se estabelecem alicerçados na confiança mútua.


Continua...

sexta-feira, 13 de julho de 2007

Preciso de um tempo?


"...eu preciso de um tempo..."

Quantas vezes já escutamos e já dissemos precisar de um tempo? Eu mesmo já disse algumas vezes e escutei dezenas delas tmb. Mas afinal o que é esse tempo que pedimos?
Um tempo pra pensar? Um tempo pra reorganizar as coisas? Um tempo para sentir de novo como é a liberdade?
Já ouvi algumas pessoas dizerem q "não existe esse negócio de tempo". Já concordei com elas, mas hoje, com idéias mais amadurecidas, talvez não seja bem assim... Todos nós, ao longo do caminho precisamos de um tempo... As vezes as coisas acontecem muito rápido, ou com muita intensidade e isso acaba confundindo as vezes... Então precisamos dessa pausa nas coisas para podermos botar a casa em ordem. Aconteceu recentemente comigo isso. Minha ex (atual de novo) me pediu um tempo pois ela estava confusa com algumas coisas... Eu dei esse tempo, com um aperto enorme no coração, mas dei esse tempo, pq afinal quem sou eu para negar isso a alguém?
E isso foi bom... fez ela ter certeza do que realmente quer e ela pôde colocar as coisas na balança pra ver oq realmente ela queria.

Já escutei tmb dizerem que "quem ama não pede tempo" e também discordo disso. O amor, como eu já disse vai se construindo com atitudes e com convivência, mas sempre vai chegar um momento que aparecerá a grande dúvida: "será q eu o(a) amo?"
E não venha me dizer q vc nunca pensou nisso, pois vc estará mentindo pra si mesmo(a)!!!
As dúvidas fazem parte desse amadurecimento em que passamos. As dúvidas são pontos que nos fazem parar pra repensar algumas situações e poder decidir pelos melhores caminhos a trilhar, mesmo que esses caminhos não sejam realmente os certos.

O tempo não tem tempo... As vezes pode ser de um dia, as vezes pode ser de anos. Cada pessoa tem seu próprio "tempo" e isso não está estabelecido como regra geral para todas as pessoas. O tempo de cada um, cada um faz. Pode ser o tempo necessário pra vc sentir aquela saudades gostosa de alguém ou para perceber que vc está melhor sem aquela pessoa.

E não nos culpemos quando alguém nos pedir um tempo. O primeiro pensamento que nos vem à cabeça é "mas oq eu fiz de errado?"...
As vezes (e na grande maioria) não fazemos (ou sim) algo de errado... É como eu disse: as vezes é o simples fato da pessoa precisar de um tempo pra ela, só dela! E todos nós precisamos desse tempo só nosso! Isso é tão intrínseco que ninguém pode entender e tão pessoal que ninguém tem o direito de violar esse direito nosso.

O tempo reafirma nossas certezas e fortalece nossas convicções.
O tempo nos ajuda a dissipar a névoa que se forma diante dos caminhos.
O tempo não é inimigo. Ele é aliado!

Agora preciso dar um tempo com esse texto! ^^



segunda-feira, 9 de julho de 2007

Sofrer por amar demais...


Esse é meu mau! Amo demais e por consequência, sofro demais... Dizem que o problema está na intensidade com que eu amo, que as vezes assusta... Mas seria eu negligente se não amasse com todas as minhas forças? Pq pra mim o amor é isso! Intensidade... Não se ama pela metade... Não se ama só um pouquinho... Ou se ama ou não se ama. E eu não tenho vergonha de demontrar isso quando eu realmente amo alguém...
Não sei vcs, mas descobri que a gente perde muito em não amar! Tá que é um jogo de risco, que as chances da gente se dar mal são realmente grandes, mas não tenho medo de arriscar e apostar todas as fichas!
Já amei demais, já quebrei a cara e vou continuar amando! Eu sou assim, essa é minha essência. Se isso assusta alguém, então azar... Por um lado é até melhor, pois assim os fracos que têm medo de amar ficam longe de mim!
Quero ao meu lado pessoas como eu, que não tenham medo! Que não meçam tanto as consequencias e que se aprisionam na incerteza.


sábado, 30 de junho de 2007

Reinauguração do Boteco!!!!

\o/\o/\o/\o/

Depois de uns dias de portas fechadas, o Boteco está voltando com força total!!!

Algumas reformas, uns pequenos reparos, uma nova mão de tinta e VOILÀ!

Prometo que pelo menos de dois em dois dias estarei renovando o cardápio pra vcs!!!


domingo, 29 de abril de 2007

Prato de Hoje: A vida não pára!


Pois eh... eu já disse anteriormente que a vida é muito curta, e que ela não espera que passemos nossos dias a limpo.
E volto a repetir: a vida é muito curta para ficarmos nos lamentando pelas perdas ou pelos fracassos. Não há nada melhor do que um dia após o outro e uma noite no meio pra separar os dois.
Perdeu a pessoa amada? Bola pra frente que logo ali vc encontra outra!
Perdeu a razão de viver? Bola pra frente pq amanhã vc vai acordar com 20 razões a mais.
Perdeu o rumo dos seus ideais? Bola pra frente pq nada melhor do que respirar ar puro pra colocar de novo as idéias em ordem.
O tempo é o senhor de todas as certezas e só ele cura as feridas. Como diz Cazuza, "...o tempo não pára..."
E de que vai nos adiantar abaixar a cabeça e ficar remoendo mágoas antigas? Ficar rastejando pelo chão imundo do nosso fracasso?
Não adianta de nada! De tudo que é ruim que nos acontece, devemos tirar proveito. Nada é desaproveitável! Podemos aprender muito com os erros e com as perdas.
Aprender a acertar na próxima, aprender a escolher melhor e aprender a lutar por nossos sonhos sem que deixemos o marasmo e o medo nos sufocar.
Enquanto isso, a vida vai passando, rápido demais!
É como se os dias fosse um único ônibus que passa sempre no mesmo horário por determinado ponto. Se vc não se apressar e chegar a tempo no ponto, o ônibus terá passado e vc ficará pra trás. O ônibus não vai esperar sua boa vontade, ou esperar que vc se recupere das suas quedas, ou então que vc arrume justificativa pelos seus erros!
Não!
Ele passa, impiedosamente! E deixa, sem remorço, quem não chegou a tempo!

É como eu digo: Hoje eu sou melhor que ontem e pior que amanhã!
A vida nos ensina isso: Um tombo não é só um tombo, mas é um aprender a caminhar.

Nada como um dia após o outro...

sábado, 28 de abril de 2007

Prato de Hoje: As feridas cicatrizam...


Por mais dolorosas que sejam, elas um dia cicatrizam!
Quem aqui tem alguma cicatriz no corpo? Provavelmente essa cicatriz foi uma ferida algum dia... E hoje, quando vc olha pra essa cicatriz todas as recordações de como a ferida surgiu te invadem a mente, né?
Com as nossas feridas sentimentais também não é diferente. Um "adeus", um "não dá mais", um "você não é o bastante", um "não daria certo" são feridas que marcam profundamente um coração tão cheio de amor. Feridas que demoram a cicatrizar. Feridas que fazem o coração sangrar no peito...
Mas as feridas cicatrizam, e no futuro as cicatrizes me trarão apenas recordações de um sonho que um dia eu não pude viver.
Talvez me sirvam de lição, talvez não me sirvam de nada...

...mas hoje, enquanto ferida aberta, me servem de solidão.

E como diria um velho conhecido nosso chamado Vinícius de Moraes, "...Que não seja imortal, posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure."

domingo, 22 de abril de 2007

Petisco...

"Nenhum caminho é sem saída pra quem sabe olhar para trás."

Prato de Hoje: Sobre tampas e panelas...


Sabe quando temos aquela sensação que encontramos a pessoa certa, que nos completa? Literalmente, que encontramos a "tampa da nossa panela" ?
Pois então... garanto que você que lê esse texto agora também já teve essa certeza....

...mas...

Sabe quando vc também já se achou uma frigideira, chegando a pensar que não existam tampas para você?
As vezes eu me sinto como uma frigideira... Penso que nunca vou encontrar alguém que se encaixe, alguém que corresponda às expectativas...
A minha primeira grande dificuldade é que sou muito intenso nos meus relacionamentos. Relacionamento morno pra mim não serve! Ou é ou não é! E é ai então que eu acabo assustando e espantando minha "tampa", pois não são todas as tampas que estão preparadas para viver isso.
Outro grande problema é o egoismo de querermos alguém que NOS satisfaça... que NOS complete e que NOS faça feliz, mas esquecemos que é uma parceria, que ambos têm que ser felizes... Não é achar alguém que nos faça feliz, mas achar alguém para fazer feliz e ser correspondido.
E não pense que isso não aconteça, que é utópico ou que é só mais um conto Shakespeareano... Acontece sim, quer ver como?
Quando nós, panelas, fomos "fabricados", não foi feita uma tampa sob medida para nós. E conforme o tempo vai passando, a gente vai ganhando um arranhão aqui, uns amassados ali, perde um cabo acolá que então é remendado com durepox adiante... Então no fim das contas acabamos que nenhuma tampa se encaixe 100% na gente. Viramos "panelas sem tampa"...

Então lembramos de algumas coisas interessantes... OS AJUSTES, OS REPAROS E OS CONSERTOS...

Imagina a situação...
Vc encontra uma tampa linda, simpática, inteligente, meiga, carinhosa, criteriosa e vive nos rigores da lei... Uma bela exemplar da espécie, por assim dizer. Mas você é um tanto quanto diferente dessa tampa... Você é uma panela carinhosa também, mas que já foi usada bastante, não está lá essas coisas e não está mais nas suas ideais condições de uso... E por mais que a tampa goste da panela e vice e versa, não há um encaixe exato entre elas...
Então a panela e a tampa dizem: "Nunca nos encaixaremos!" Se despedem, viram as costas e partem, cada um em busca do seu "alumináceo" ideal...
Um triste final para esses dois, certo?
Mas eis que a panela, muito fascinada pela tampa, lembra dos tais ajustes, dos tais reparos e começa a mudar para não perder a tão estimada tampa encontrada...
Ganha uma ariada aqui, um desamasso ali, um remendo adiante e um cabo novo!
Ai acontece que ainda não se encaixam 100%, mas opa!!! Já dá pra cozinhar algumas coisas juntos...

Quem aqui (que já cozinhou alguma vez) nunca usou uma tampa que não era a daquela panela? É claro que não vai se usar uma tampa de panela de pressão numa panelinha de fazer miojo...
Mas isso não importa, o que importa é que as tampas e as panelas não precisam se encaixar exatamente para produzirem um bom cozido... Basta ambas entenderem que ao longo da carreira haverão ajustes de ambas as partes... Haverão adaptações no uso.
E havendo essas adaptações, panelas e tampas viverão felizes para sempre na cozinha da vida, cozinhando, fritando, assando (assando?), flambando (flambando???), grelhando (grelhando tmb??? Oo) e tudo mais o que se pode fazer. E mesmo com esses reparos, a panela não deixará de ser panela e a tampa não deixará de ser tampa!

Tá vendo como panela e tampa, quando se entendem e se compreendem podem fazer miséria juntos? Mesmo que não se encaixem plenamente na primeira tentativa, mas que não deixem de tentar, pois aos poucos não haverá o perfeito encaixe, mas sim, o encaixe ideal.

Ai depois das duas idealmente encaixadas (no bom sentido, claro), é só desejar bon apetit!!!



sexta-feira, 20 de abril de 2007

Prato de Hoje: Reformas no Boteco...

Como tudo que há na terra um dia acaba entrando no processo evolutivo, com o blog não poderia ser diferente...
Estou acrescentando mais um serviço para vocês, estimados clientes:

MÚSICA AO VIVO! SEM PAGAR COVER!!!!!

Agora cada post terá uma música (relacionada diretamente com o tema do post, ou não!)

E a música de estréia é nada mais, nada menos do que:





(Atendendo o pedido da Bel)

quarta-feira, 18 de abril de 2007

Prato de Hoje: Lá fora...


Hoje de madrugada eu fiz a música mais rápida de toda a minha vida... A letra saiu num cigarro de 5 minutos...
Ficou assim:



Lá Fora

E se os dias fossem iguais
como a gente sempre sonhou
E se as coisas fossem tão legais
como a gente imaginou
E se os planos fossem reais
como a gente os criou
E se tudo fosse do jeito
Que a gente sempre apostou

Mas se não houvesse amanhã
e tudo terminasse agora?
Será que seriamos felizes aqui dentro
com toda a vida la fora?

Não, eu não quero me trancar nesse quarto
Hoje mesmo eu abro a porta e parto
Em busca do que me faz feliz

Não, não vou desistir e você vai ver

Eu vou lutar por ti, pode crer

Por que só serei feliz... se for com você!



(Paulinho Biazi - 18/04/07)

P.S.: Não adianta que essa música também já foi registrada! ^^

terça-feira, 17 de abril de 2007

Prato de Hoje: Foda-se o prato!


Sentimentos são uma merda!
A gente só se fode com eles!!!

Fim!



parece um coração =========>
(de ponta cabeça)

Prato de Hoje: Um dia apenas...


Um dia apenas... Suficiente pra fazer valer uma existência...
Apenas um dia... que vale por todos os outros dias vividos...
Uma eternidade que se resume em um momento...
Um momento que traduz uma eterninidade de palavras...
Palavras... de que valem se não houver a magia do olhar?
Olhares... de que adiantam se não há sentimento?
Sentimentos que fazem um dia valerem por mil...
Mil dias sem você...
... valem menos do que um minuto na sua presença!

Presença sua, presente da vida para mim!
Presente nos meus dias, presente na minha história...
Seu olhar presente em meus pensamentos e,
Meu pensamento se pega pensando em vc...

Olhares, palavras, sentimentos e dias...
Dias de uma vida sem destino, sem planos...
Planos de um dia ter você. Planos?
Pq fazemos planos se as melhores coisas acontecem por acaso?

Ah, o acaso...
Sempre mudando os rumos...
Desfazendo os planos...
Mexendo seus pauzinhos...
Mexendo nos nosso sentimentos...
Revirando nossas gavetas
e redescobrindo coisas então,
soterradas pela poeira da razão.

Razão? Coração?
Não... Não vou dizer qual tem mais valor...

... mas escuto as duas, cada qual na sua hora, cada qual com sua história.

E te convido:

Venha viver essa história comigo que eu te levarei para as núvens num vôo sem asas e sem passagem de volta.

Um dia apenas...
Uma hora apenas...
Um minuto, um segundo, um milésimo de segundo e um olhar seu...
Penetrando minha alma e atingindo meu coração tão escondido atrás das muralhas.

Os dias sem você já não têm a mesma graça.
Sem você, eles não passarão de "um dia apenas..."

Carpe Diem... COMIGO!

domingo, 15 de abril de 2007

Petisco....

"Um dia você aprende..."



Vale a pena ver até o fim...

Prato de Hoje: A vida é uma escola...

...e eu vivo reprovando!


=/

Muitas vezes, quando achamos que já conhecemos todas as regras do jogo e todas as cartas do baralho vem a vida com um trunfo na manga e nos desarma na hora! A vida é uma eterna escola mesmo... Nunca paramos de aprender... Cada dia é um aprendizado sem fim, mas as vezes estamos correndo demais para aprender as lições que passam tão sutís por nós...
A vida quase sempre usa "pessoas" para nos mostrar que a única coisa que sabemos é que não sabemos de nada. Pessoas que surgem do nada, sem nenhuma explicação, sem nenhum motivo especial... Simplesmente aparecem e nos mostram um universo então desconhecido aos nossos olhos. Um universo mágico e tão grandiosamente simples que quase se torna utópico.
Mas essas "pessoas", com sua simplicidade, sua inocência e seu jeito meio tímido de expressar o que o coração verdadeiramente sente, deixa estampado para quem quiser ver e aprender que a maior verdade da vida é que "só se vê bem com os olhos do coração. O essencial é invisível aos olhos"...
Aprendemos muito com as coisas mais simples. Aprendemos muito pouco quando pensamos que já sabemos e paramos de aprender quando temos a certeza que não há nada mais a se aprender... Então cometemos o erro do egoísmo em pensar que somos os donos da verdade e das certezas. Erramos em achar que já sabemos como agir ou como decidir e erramos com a certeza de que acertaríamos.
Se essas "pessoas" se dessem conta do poder que elas têm de, mesmo inconscientemente, nos ensinar a coisa mais bela, que é viver... Ah se essas "pessoas" se dessem conta...
O que é vida, afinal? Quando saber que já conhecemos o suficente? Que já vimos o bastante? Que já temos o futuro em nossas mãos? Nunca saberemos, sabe por que?

PORQUE A VIDA SEMPRE VAI COLOCAR NO NOSSO CAMINHO ESSAS "PESSOAS" PARA NOS DEIXAR NO CHÃO E FAZER-NOS LEMBRAR QUE É SEMPRE TEMPO DE SABER ALGO.

Aprender afinal... Aprender a aprender...
Estou aprendendo... E aprendendo a gente aprende a aprender.

"Pessoa", obrigado por ser minha professora na escola da vida!

sábado, 14 de abril de 2007

Prato de Hoje: Carpe Diem


"Fui para os bosques viver de livre vontade
Para sugar todo o tutano da vida
Para aniquilar tudo o que não era vida
E para, quando morrer, não descobrir que não vivi"

Henry David Thoreau

segunda-feira, 9 de abril de 2007

Petisco...

"Amo a liberdade, por isso deixo as coisas que amo livres... Se elas voltarem é porque as conquistei.. Se não voltarem é porque nunca as possuí."

(Jonh Lennon)

domingo, 8 de abril de 2007

Prato de Hoje: Investimento de risco...


Hoje eu estava pensando sobre investimentos... Mas não o tipo investimento financeiro... Seria um "investimento sentimental"...
Sabe quando a gente tem aquela sensação de que investimos todo nosso amor em alguém que não valia a pena? Ou então quando gastamos todos nossos argumentos e usamos toda a nossa retórica por um amor não-correspondido?
Investimos tempo, investimos sentimentos, investimos noites mal dormidas, investimos dinheiro e nos investimos nessas paixões loucas e sempre saimos no prejuizo! Bobeou, a firma abre falência!
E o mais foda é que quando a gente vai fazer o "balanço" no final de tudo, descobrimos que o rombo foi maior do que pensavamos.....

¬¬

Maldita empresa essa com razão social de Miocárdio & Endocárdio Ltda e nome fantasia de Coração!!!
Sempre derrubando os investidores mais experientes... Sempre passando uma rasteira nos experts e especialistas nessa área. Ai eu me pego pensando na minha nova paixão... Será que esse investimento vale a pena? Será que compensa mais uma vez eu entrar de cabeça, vestir a camisa e arriscar todas as minhas fichas? Será, será, será?
Seria tão bom se eu tivesse uma bola de cristal que me dissesse: "Paulinho, vai fundo que essa é a bola da vez", ou então "Paulinho, fecha o olho e guarda a cara pq agora vai", mas por ironia do destino, não temos essa bola de cristal e enquanto os deuses dão risada das nossas quebradas de cara, a gente fica aqui, procurando a pessoa certa.
E vale a pena investir? Não seria muito mais prático se ficássemos quietinhos, esperando tudo passar? Será que seria mais fácil se não se investisse mais?
Não sei vocês, mas eu me culparia eternamente por não ter investido em uma grande paixão. A vida é feita de riscos... Riscos esses que nos acompanham a todo tempo. Pior do que quebrar a cara ou falir a firma é carregar a eterna culpa dentro de nós: "e se eu tivesse tentado?"...
Sempre estaremos quebrando a cara nessas coisas de paixão... e sempre vamos nos fuder com isso, afinal, paixão nada mais é do que uma experiência, um aprendizado. A gente se apaixona é pra se fuder mesmo, é para experimentar do fogo e do gelo ao mesmo tempo... Pra ter no mesmo paladar o doce e o azedo...
E assim a gente investe... as vezes com medo do próximo passo... Ora com tamanha veemência que até nos assustamos... Mas somente o "tentar" que vai nos dizer com precisão se valeu a pena ou não. o "tentar" é a prova de fogo, a prova dos 9...
E eu tou aqui tentando... investindo sem saber se vou progredir ou se vou quebrar... A única coisa que eu sei é que se eu não tentar, nunca saberei a resposta.
Se não der em nada, que sirva de exemplo para uma próxima vez.

As vezes é na derrota que a gente encontra a chave pra próxima vitória....

segunda-feira, 2 de abril de 2007

Prato de Hoje: Acróstico para alguém (parte II)

Sentindo um frio na barriga e um
Aperto no peito, vagando pelos meus sonhos
Me pego a pensar nas possibilidades que
A vida nos cria para encontrar nossa
Relíquia mais preciosa que é o
Amor.


Então chego a seguinte conclusão...

Parei de pensar e corri
Atrás de um sonho que acreditei.
Um sonho que se torna realidade,
Longe de ser surreal ou ilusão.
Intimidado pelo medo,
Não deixei que ele vencesse e
Hoje tenho a coragem de dizer que
O meu coração sempre será seu!



(Paulinho Biazi - 02/04/07)

sexta-feira, 30 de março de 2007

Sobremesa....

"Jesus Cristo tinha cabelo comprido, as freiras só vestem preto, os padres enchem a cara com vinho e ainda dizem que rock é coisa do diabo"

(Jonh Lennon)

Petisco...

"Eu andava no vazio procurando respostas. Um dia me enchi de descobertas e descobri que eu é quem andava vazio de perguntas."

(C. A. Pacheco)

Prato de Hoje: Uma canção....


Ontem deu pau na minha net aqui... Então, num momento de inspiração, resolvi compor mais uma música para alguém muito especial que apareceu na minha vida recentemente...

Ai vai a música...

P.S.: A letra já está registrada em meu nome, ok?



Quebra-cabeça


A vida nos prega peças e desfaz os nossos planos
Coisas do acaso desfazendo o cotidiano
Os sonhos se tornam tão reais aqui no meu coração
Me faz acreditar e lutar por essa paixão

Tudo estava tão vazio e tão deprimente
Então você surgiu, assim tão de repente
E teu sorriso me trouxe paz, me trouxe luz, me deu abrigo
E eu canto essa canção pra que ela chegue aos seus ouvidos

E quando menos se espera
Você aparece e me faz feliz

Ah meu Deus, quem me dera
Fazer tudo que eu não fiz
Quanto tempo eu perdi
Mas é passado, agora esqueça
Você é a peça que faltava no meu quebra-cabeça...



(Letra: Paulinho Biazi)

quarta-feira, 28 de março de 2007

Prato de Hoje: Acróstico para alguém...

Sabe aqueles dias,
Aonde nada mais importa...
Mas o pensamento insiste em
Alcançar aquela pessoa especial que
Reina em nosso coração e
Atordoa nossos sentidos...

Sabe aqueles dias,
Incomuns, porém não diferentes...
Lembranças indo e vindo,
Vagando por nossa cabeça e
Aumentando a saudades...

Sabe aqueles dias,
A lua distante sorrindo vaga,
Nada mais iluminando...
Tantas recordações...
Aqui e ali... tudo me lembra vc e
Nada me tira da cabeça
A esperança do nosso final feliz!

(Paulinho Biazi - 27/03/2007)

terça-feira, 27 de março de 2007

Petisco....

"O amor é como capim... A gente planta, rega e ele cresce lindo... Ai vem uma vaca e acaba com tudo!"

segunda-feira, 26 de março de 2007

Prato de Hoje: A vida nos prega peças...


Uma vez eu ouvi: "The life´s a surprise litlle box". E não é que é mesmo? Quando a gente menos espera, vem algo, alguém, ou alguma coisa e faz nossa vida virar do avesso de uma hora pra outra! A gente perde tempo fazendo planos infalíveis para nosso futuro, criando estratégias mirabolantes para alcançar objetivos e decorando os melhores poemas para conquistar determinadas pessoas... Ai, numa bela tarde de verão, alguém surge na sua vida e faz tudo ir por água abaixo!
Então vc se encontra perdido, sem chão, sem estratégia... Se encontra nú e não sabe pra onde ir! As surpresas do acaso estão constantemente nos fazendo de palhaços nesse circo chamado "vida".
E como nos tornamos palhaços de uma platéia de planos em que tanto tempo perdemos para tecê-los! Mas nossa teia de planos vai pro brejo de uma hora pra outra quando o fator "vento do imprevisível" surge de uma hora pra outra.
O imprevisível, um elemento fundamental para os dramáticos e fascinados pelo suspense, mas um inimigo implacável para os minimalistas e minuciosamente programados. Imprevisivelmente, o imprevisto surge sem avisar, e improvisa um caminho pela qual nunca imaginariamos que surgiria!
Já contei anteriormente aqui sobre alguém que apareceu na minha vida a uns dias atrás, e de uma hora pra outra bagunçou meus planos tão bem bolados! Me senti o Cebolinha quando é desmascarado pela Mônica!!! Mas foi uma surpresa boa!! Essa pessoa me ajudou, de certa forma a responder algumas perguntas da lista das "Perguntas Sem Resposta do Paulinho". Ela não sabe disso, mas ajudou sim!
Outra coisa que aconteceu comigo hoje me fez ver que o inesperado também adora aparecer sem avisar! Não vou contar oq aconteceu, pois é muito comprido! =D
Ai eu pensando hoje... "Cara, a gente perde tanto tempo querendo viver o amanhã... Querendo saber o futuro, querendo prever acontecimentos... Quando, de repente, de uma hora pra outra, tudo muda e vemos que o tempo que perdemos tentando ver o futuro foi um tempo perdido que não iremos recuperar! E a vida é realmente muuuuuuuuuito curta! A vida não espera que passemos nossos dias a limpo..."
Sabe qual é meu maior medo? De chegar nos meus 70 anos, olhar pra trás e ver que não aproveitei nada do que a vida me ofereceu e que cheguei nos 70 e todos os milhares de planos que eu tinha feito, nenhum deu certo! Acho q vou ser um velho frustrado pra porra, ranzinza e morrer numa cama reclamando do colchão...
Ai quer saber mesmo? Que se fodam os planos e que se fodam as previsões! Que se fodam os horários e o cotidiano! Que se fodam as regras que regem sei lá o que!!!
Calma... Não virei um anarquista!
Também não perdi meus objetivos. Vou continuar a lutar por todos eles, afinal não posso simplesmente deixar a vida acontecer sem rumo nenhum.
Só quero deixar claro que não vou gastar meus valiosos minutos me preocupando com o amanhã. Deixa o amanhã pra amanhã!!! Vou viver meu hoje, meu agora!

Como diz uma música do Gabriel O Pensador, "... Porque você só vai saber se o final vai ser feliz depois que tudo acontecer. E depois a gente pensa. E depois a gente diz. E depois a gente faz... o que tiver que fazer!"

Essa vida tem muito que me ensinar ainda...

sábado, 24 de março de 2007

Prato de hoje: Agora eu sei onde anda a felicidade!


Há alguns dias atrás eu escrevi um texto me perguntando "Onde anda a felicidade?"... Achei uma possível resposta que dizia "A felicidade se acha em horinhas de descuido".
O tempo passou e eu acabei me esquecendo disso... E me esqueci também de procurar por onde andava a tal felicidade. Hoje assistindo um vídeo no Youtube parei para pensar um pouco e me lembrei do texto que tinha escrito... Foi como se por mágica, as respostas para as pergunta fossem surgindo diante dos meus olhos.
Descobri que não existe fórmula ou cálculos. Simplesmente descobri que estava buscando a felicidade nos lugares errados. Descobri que procurava pelas coisas erradas achando que era felicidade. Descobri que posso rodar o mundo atrás da felicidade, mas só vou encontrá-la quando eu olhar pra dentro de mim...
Olhar pra dentro de si.... Ah... Como é difícil olharmos para dentro de nós mesmos! Sabemos que sempre quando isso acontece, encontramos nossos fantasmas que insistem em nos assombrar, então preferimos não olhar. E ela fica ali, escondida e soterrada pelas emoções do dia-a-dia, pelos traumas e neuras, pela falta de compreensão.
Aqui em Jipa, passei dias procurando a felicidade nas pessoas, no dinheiro (que não tenho), nas prateleiras de supermercado, debaixo dos carros... sem me dar conta que a felicidade esteve o tempo todo comigo. Como eu disse em um texto anterior, "...E pelo caminho da vida, encontramos essa felicidade aos montes, mas nosso relógios, nossos aviões e nossas finanças nos gritam "Não há tempo a perder" e passamos correndo pela felicidade, sem notar que todo o tempo do mundo já foi perdido!"
Estava ai a resposta para toda minha dúvida! Bem na minha fuça, a um palmo diante dos meus olhos!!! Ai está a verdadeira felicidade: Sermos felizes com o que somos e não com o que temos, pois a verdadeira felicidade a gente só encontra quando nos esquecemos que vivemos num mundo de cão. Quando nos esquecemos das mágoas, do ódio, da inveja... E é justamente "nessas horinhas de descuido" em que a felicidade dá o ar da graça...
A felicidade nos faz sentir mais livres, como se caminhassemos por entre as núvens. Nos faz mais dignos, mais leves, mais otimistas. A felicidade nos faz ver além dos horizontes e acreditar que o sol sempre brilha após a tempestade. A felicidade, sim, essa mesmo que você carrega ai dentro de você, nos faz ver quão idiotas fomos em perder tempo com alegrias passageiras.
As vezes achamos que a felicidade está nas pessoas que cruzam nosso caminho. Achamos que se encontrarmos alguém que corresponda a todas as nossas expectativas, ai sim seremos felizes...
ERRADO!
Esse sentimento egoista de querer alguém que se encaixe nos nossos sonhos é utopico! É um amor platônico por ninguém. Procurar a felicidade nos oustros não nos faz crescer nem amadurecer, e é com o amadurecimento que ficamos mais sensíveis para as tão faladas "horinhas de descuido".

Podemos ESTAR felizes com outras pessoas ou com outras coisas, mas só SEREMOS felizes quando estivermos com nós mesmos. A felicidade sempre está a bater na nossa porta, cabe a nós abrir ou não.

P.S.: Terminando a frase de título, a felicidade sempre andou comigo! ^^

sexta-feira, 23 de março de 2007

Prato de Hoje: A frágil vida....


Acabei de assistir a um filme, antigo mas comovente... "A Cidade dos Anjos".
Acho que como a maioria aqui, também fiquei com um nó na garganta ao assistir. Enquanto engolia esse "caroço de abacate" que instistia em não descer, estava pensando em quão delicada e passageira é a vida e quanto tempo gastamos com coisas sem valor...
Nascemos, crescemos, casamos, temos filhos, envelhecemos e morremos... e qual o sentido de tudo isso???
Talvez o sentido da vida só irei descobrir quando morrer ou talvez nem descubra, mas uma coisa eu decidi: enquanto estiver aqui, não quero perder tempo questionando o porquê das coisas nem procurando a razão de tudo isso... Quero apenas viver...
Quero apenas viver, sentir, experimentar, sofrer, chorar, perder, ganhar... E quero viver tudo, cada sensação como se fosse a última vez que estivesse experimentando, pois nunca saberei quando realmente será a última vez.
Não sabemos nossa hora, não está nos sistemas de computador, não está nos calendários e muito menos na bíblia! Um segredo Divino desconhecido pela humanidade... Quando será a minha hora?
Não me importa mais se será daqui um dia, um mês ou um ano... Me importa aproveitar cada segundo como se fosse o último. Me importa viver cada passo dado, sentir cada toque, olhar todos os detalhes antes escondidos pela pressa...
Estou com 24 anos e pergunto-me: "Meu Deus... o que eu vivi esse tempo todo?" Não falo de quantidade e sim de qualidade. Quanto tempo perdi com coisas sem valor... Me preocupando com que os outros achariam ou pensariam... tentando viver uma pseudo identidade estereotipada pela sociedade, fazendo com que os sentimentos tornassem-se vagos, guardados em uma caixa em cima do guarda-roupas... Me esqueci do sabor das coisas, da textura das flores, do cheiro bom da chuva, do frio aconchegante de uma manhã de inverno... Me esqueci de VIVER!!!
Me esqueci como se chora por alguém que está partindo... Me esqueci como se abraça alguém que há tempos não vejo... Me esqueci do sorriso de gratidão em resposta a um simples "bom dia"... Essa "vida" que levamos, cheia de aviões, relógios e finanças nos arranca aos poucos o pouco de VIDA que temos... Vai consumindo devagar a essência de viver e quando nos damos conta, estamos fechando os olhos para esta que foi, lenta demais para nossos relógios, mas rápida demais para nossos sentimentos... a VIDA!
Ai será tarde demais para sentir o sabor das coisas, a textura das flores, do cheiro bom da chuva, do frio aconchegante de uma manhã de inverno, pois a morte não espera! E ela vem, e ela leva e ela não volta atrás... E como num passe de mágicas, deixamos tudo isso para trás com a vaga sensação de não termos vivido o bastante... Ou de não termos aproveitado o bastante o bastante que vivemos.
Quem faz a vida longa ou curta somos nós! Não com nosso relógios ou com pílulas de emagrecimento! A vida se torna longa quando se vive, quando se sente, quando se abre para os pequenos detalhes que nos fazem verdadeiramente felizes... E pelo caminho da vida, encontramos essa felicidade aos montes, mas nosso relógios, nossos aviões e nossas finanças nos gritam "Não há tempo a perder" e passamos correndo pela felicidade, sem notar que todo o tempo do mundo já foi perdido!
Quero voltar a viver e não simplesmente ser um mero figurante nesse teatro. Quero assumir meu papel de ator principal nesse espetáculo magnífico chamado vida e no fim, quero escutar os aplausos do meu coração me dizendo que fiz um bom papel!

A vida por si só é um teatro de fantoches e nunca saberemos quando as cortinas se fecharão. Então, que aproveitemos o espetáculo!

quinta-feira, 22 de março de 2007

Prato de Hoje: Receita da amizade...


É simples como um miojo! O problema é que as pessoas querem fazer do miojo uma lasanha!!!
Perai, deixa eu explicar minha comparação... Mais ou menos assim:
Amizade é um sentimento. Sentimentos nascem de experiências vividas. Amizade é fruto de alguma experiência vivida com alguém...
Não entendeu ainda? Tudo bem!
A amizade é simples como uma folha que cai de uma árvore, mas a humanidade, não diferente de todos os outros sentimentos, adora complicar tudo! Uma amizade, verdadeira amizade simplesmente nasce e dá frutos! Semeada por alguma experiência na qual houve um laço forte que ligasse uma pessoa a outra, OU NÃO!
Assim... É mais fácil explicar pq não encontramos verdadeiras amizades, apesar dessa afirmação estar errada! Tava pensando nisso hoje de manhã, enquanto aguardava minha vez de ser atendido no banco.
Eu vivia reclamando: "Ah, eu não tenho amigos de verdade...", "Ah... as pessoas gostam de mim só por interesse..."
Com esse pensamento, eu afastava de mim toda e qualquer possibilidade de "perceber" uma verdadeira amizade, pq isso não se compra, não se sente... Se percebe!
A amizade é muito sutil... As vezes (a maioria delas) passa despercebida diante dos nossos olhos, nos dá "Oi" e sai de fininho, sem que ao menos a olhemos nos olhos...
Foi o que aconteceu comigo esses dias atrás...
Havia uma garota que fazia teatro comigo... Sempre achei ela simpática, mas nunca rolou mais do que um "OI". Certa vez eu disse pra ela que tinha a impressão de que conhecia ela de algum lugar (bem cara de cantadinha de homem, né?) mas ela disse que fazia muito pouco tempo que estava na cidade, então descartamos a possibilidade...
Eu a via na faculdade também... Mas muitas vezes eu passava por ela e nem um "Oi" acontecia... Pensava então "Putz... q guria metida pra caralho!"
E assim foi... Fui me afastando, afastando, afastando até chegar um momento em que eu mal olhava pra ela e muitas vezes até cheguei a olhar, esperar ela olhar e fazer de conta q não vi (até onde vai a humanidade) só pra me sentir um "humilhador"... (tsk, tsk, tsk)
Então aconteceu que eu vim embora pra Rondônia, e esses dias atrás, adivinha quem me add no Orkut? Ela!
Achei estranho, mas aceitei, pq pensava eu que ela nem lembrava mais da minha existência. Ok... um número a mais no meu Orkut não faz diferença.
Quando eu achei que o surpreendente já havia acontecido, logo após aceitar o convite dela e responder um "Add" nas coxas, eis que ela me adiciona no msn também, fazendo-me achar que fosse um sinal divino anunciando a sétima trombeta do apocalípse!!!
Tudo bem, aceitei também... Nesse mesmo instante já imaginei o céu rompendo em fogo, raios e trovões, e Deus descendo numa nuvem prateada anunciando o fim do mundo e que estaria aberto o julgamento dos vivos!
Contrariando minhas expectativas, nada disso aconteceu! Pelo contrário... Um caloroso "Oiiiiiiiiiiiii" piscando, oscilando entre o rosa e o roxo, dando cambalhotas e com uma estrelinha rodando em volta do "O" apareceu na janela de conversação... (era desses emoticons q cantam, dançam e fazem bolinha de sabão... ¬¬)
Começamos a conversar e conversamos, conversamos, conversamos e foi uma conversa sem fim que foi dissolvendo toda aquela imagem q eu tinha dela... Os estereótipos e os rótulos que insistimos em colocar nas pessoas.... Tudo indo por água abaixo. Hoje, conversamos sempre e nos arrependemos de não ter aproveitado o tempo que estavamos tão próximos! Uma amizade surgiu ali, no inesperado, no imprevisível e no não premeditado e essa sim, é a receita da amizade!
É como se fosse um pássaro. Não podemos prender a amizade de alguém, senão ela não canta, não alegra e morre! A amizade voa livre, vem e volta quando quer e fica para sempre, por mais distante que duas pessoas estejam.
Voltando ao assunto dos "rótulos"... Muitas vezes perdemos uma puta e verdadeira amizade por achar que essa ou aquela pessoa não merece nossa confiança... Por pensar que possuímos o dom de saber quem pode e quem não pode ser amigo.
Já tive amigos que eu considerava como irmãos e me trairam! Não eram amigos de verdade!
Como dizia minha avó, Dona Lívia, "NINGUÉM VEM COM ESTRELINHA NA TESTA!", e ela está certa. Amigos não se escolhem à dedo, não se arrumam em porta de boteco, não se encontra em classificados. Na verdade, não encontramos amigos... É a amizade que nos encontra, que nos marca a ferro e nos une. Aqueles "amigos" por interesse então... nem se fala! Mas como vivemos em um mundo carente de afeto e compaixão, as pessoas se apegam a esses falsos amigos mesmo, pois o mundo já jogou tanta merda nos olhos delas que elas não conseguem mais enchergar um verdadeiro amigo.

Ah... hoje não estou muito a fim de escrever.

Só uma ultima coisa: abra seus olhos do coração e verás quão bela é a vida. E as verdadeiras amizades estarão escondidinhas num cantinho do seu mundo... Elas são assim... Ariscas... Por isso é preciso cativá-las para poder conhecê-las.


Acho q vou fazer um miojo. Cansei de comer as mesmas lasanhas!
Simples!

segunda-feira, 19 de março de 2007

Prato de Hoje: Um filho de presente...


O título até parece estranho, mas é que hoje eu vou contar uma historinha pra vocês....

"A alguns anos atrás, numa terra distante havia um garotinho que era criado pela avó, pelo avô e pela madrinha. Fruto de um casamento que não deu certo, esse garotinho foi adotado pelos avós e fora criado pelos mesmos, sempre acompanhado de perto pela madrinha que era irmã de seu pai. "Lívia" e "Belarmino" era o nome dos avós e "Ninha" o nome da madrinha. O pai sempre fora um pai ausente, pois ainda era muito novo e não tinha assumido a responsabilidade de criar um guri, afinal, ter um filho com 19 anos era uma experiência completamente paralela ao mundo na qual ele vivia e que estava acostumado, mas o garotinho não o culpava por isso. Fazia bicos de caminhoneiro aqui e ali, e quase nunca estava em casa. Dava carinho pro filho, mas do jeito dele. A mãe fora embora para uma terra mais distante ainda e viveu a vida dela.
Ninha sempre amou o garotinho muito antes dele nascer. Um amor e um carinho inexplicáveis. Mal sabia ela o que a vida lhe guardara.
Os anos se passaram e o garotinho foi crescendo.... 8, 9, 10 anos... Nesse intervalo de tempo a madrinha arrumou um namoradinho... Um tal de Antonio Carlos. Sujeito bacana, trabalhador e apaixonado por Ninha.
Algum tempo depois, Ninha e Antonio Carlos resolveram se casar, notícia essa que foi recebida com entusiasmo por todos. Até o garotinho ficou empolgado!
Chegou o grande dia do casamento!!! Tudo muito lindo, arrumado, aquele corre-corre, parentes, família, amigos.... Casaram então!
Acontece que Lívia e Belarmino já tinham atingido uma certa idade e não estavam mais em condições financeiras e emocionais de continuar com o garoto. Foi então que Ninha resolveu arriscar tudo e fez a proposta: "Eu termino de criar o garoto!"

O desenrolar do processo eu não sei bem ao certo, afinal, essa é uma história que acontece numa terra muuuuito distante a muuuitos anos atrás. Só sei que o garoto foi então morar com a madrinha e com seu marido, o Antonio Carlos.
Chegue finalmente no ponto que eu queria chegar e que tem a ver com o título do texto... Ao contrário do que a maioria está pensando, o protagonista dessa história não é o garotinho, não são os avós, não é a madrinha.
O protagonista dessa história é aquele sujeitinho, magro e de óculos que mal tinha se casado com Ninha e já ganhou um filho de 11 anos de presente!

"Ninha e Antonio Carlos nem tiveram tempo de se curtirem e curtir o casamento. Optaram por não ter filhos, dedicando todo o tempo e atenção ao garotinho, agora um adolescente de 15 pra 16 anos, passando por todos aqueles problemas que adolescentes sempre passam. Foi uma fase difícil para os três. Recheado de discussões sem fim e de divergências de opinião, o então inocente garotinho havia crescido mais um pouco e se tornado um jovem de 18 anos.
Antonio Carlos tinha uma puta responsabilidade, afinal, sem experiência paterna nenhuma, já teve que saber lhe dar com todas as conturbações que um jovem passa na sua vida. Foi um pai do jeito dele, mas foi um pai.
O tempo passou e o jovem agora já tinha 21 anos e foi embora para ser padre. Ficaram para trás Ninha e Antonio Carlos, afinal, um descanso merecido."

Fim!

********************************

Tá, a história tá contada... Você deve ter se perguntado: "mas era essa a história?"
Pra você que está lendo, talvez não tenha muita importância, mas eu quero deixar aqui, nos anais da internet, registrado para o mundo todo o meu carinho, admiração, respeito e amor por essa figura paterna que foi o Antônio Carlos.
Que fim o garoto, os avós e Ninha e Antonio Carlos levaram eu não sei e nem me interessa também, mas o Antonio Carlos pra mim serviu como um exemplo de caráter e perseverança, e além disso tudo, de amor!
As vezes eu paro pra me colocar no lugar dele e penso:
"Puxa, quando eu casar eu quero curtir minha esposa por pelo menos uns 2 anos, fazer todos aqueles programas que recém-casados fazem, que é viajar só os dois nas férias, trepar na cozinha em pleno meio-dia, ir no cinema juntos e depois um jantarzinho romântico... Dai então quero ter um filho! Acompanhar a gravidez da minha esposa, sair de madrugada pra comprar sorvete com melancia pq ela tá com desejo... Depois ver o bebê nascer, cuidar, acordar de madrugada... Os primeiros passos, as primeiras palavras, o primeiro "papai"...
Acho que esse é o sonho de todos os homens, mas Antonio Carlos foi além disso!
Com um amor quase que divino, abriu mão de todos os seus sonhos e fantasias pela felicidade do próximo! Pela felicidade de Ninha e do garotinho!
Mal tinha casado e ganhou de presente um filho pronto, prestes a entrar em uma das piores fases da vida: a "aborrescencia"!
Antonio Carlos, não sei se você existe ainda, não sei se algum dia existiu ou se é só um mito contado de pai para filho, mas se você estiver lendo essas linhas agora, saiba que este que escreve é um fã, um admirador, um apaixonado por você!
Garanto que se o garotinho se tornou uma pessoa de bom caráter e que acredita em sonhos, ele deve grande parte disso a você! Talvez do seu jeito meio sem jeito de criar um adolescente, você ensinou muito mais com suas atitudes e sua história de vida do que qualquer pai biológico pudesse ter ensinado um filho.
Pai é quem cria, e o garoto, onde quer que esteja, tenho certeza que será eternamente grato por tudo, pois riqueza nenhuma no mundo vai poder recompensar o que você fez por aquele garotinho!

...mas se eu fosse aquele garoto, te diria assim:
"Antonio Carlos, meu pai... Te amo muito mais do que você pode imaginar, e mesmo sendo nossa relação tão diferente das dos outros pais e filhos, o amor que sinto por você quebra todos esses paradigmas de sangue e de cadeias de DNA. Um amor que nada mais é do que fruto da semente que você plantou em meu coração! Te amo por demais da conta!
De seu filho, que nem com a vida poderá pagar o que você fez por mim!"

domingo, 18 de março de 2007

Prato de Hoje: E o amor?


Caralho! Não dá pra entender oq é o amor, mas uma coisa é fato: amor é convivência!
Hoje, conversando com uma amiga minha chegamos numa conclusão....
"O amor não é aquele sentimento de sexo todo dia, de carinho, de fogo e de beijos incansáveis... Isso é paixão! O amor vai além disso tudo... O amor é a soma de cumplicidade, companheirismo, fidelidade, paciência e flexibilidade, que fazem duas pessoas se aguentarem por mais de 3 anos!"
Hoje, as pessoas confundem amor com paixão.... Vejo os namoradinhos recentes dizerem "eu te amo", as pessoas no Orkut dizerem "eu te amo" (e parece que no Orkut, esse sentimento fica mais intenso), e amiguinhos de escola dizerem "eu te amo"...
Pow, mas perai!!! E vcs lá sabem oq é o amor????
Como disse um amigaço meu, "...o amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente... É um contentamento descontente, é dor que desatina sem se doer". E eu acrescento: amor é incondicional, não tem idade, cor, sexo, orientação política, nem porra nenhuma!
Amor é único e incontestável! É VC ABRIR MÃO DA SUA FELICIDADE PELA FELICIDADE DO PRÓXIMO!!!!
E será que os namoradinhos recentes estão à par disso? Será que o garoto deixaria de viver pela namorada? Será que a amiguinha da escola seria capaz de abrir mão da coisa que mais gosta pra ver a felicidade do próximo?
Nós deturpamos o sentido do amor! Hoje, dizer "eu te amo" ganhou um outro significado. Virou modinha, virou vício! Mas dizer eu te amo é fácil! VIVER "EU TE AMO" é que é complicado!!!
Tem uma música de uns amigos meus que diz: "...descobri que o amor não é um sentimento, pois amar não se traduz em um momento... O amor é eterno, amor é expressão! Dos mais lindos sentimentos dessa terra, não cobiça não inveja, não faz guerras... Amar nos faz nobres, faz bem ao coração..." e de fato eles estão cobertos de razão! O amor nos transporta para uma dimensão onde a aparência não tem importância! Quando se ama, SE AMA! Amor não acaba! Paixão acaba, tesão acaba, atração acaba, interesses acabam, O AMOR NÃO!
Até pouco atrás eu não acreditava que um amor pudesse ser eterno... mas eu, como a maioria não sabia oq o amor significava!
Então, deixa eu entender: Primera fase: Paixão! Segunda fase: Compreensão! Terceira fase: Amor!!!

Se chegar na terceira fase, meu amigo, então é pra sempre! Garanto!!!

É isso! O amor é a consequência das experiências vividas juntos, então, "o amor é convivência", e crianças, vamos usar com mais cautela a expressão "eu te amo", pq se vcs soubessem o verdadeiro significado dela, vcs pensariam 1000 vezes em usá-la!

P.S.: Kally, a conversa de hoje rendeu um post! Bjos!!!!

Prato do Dia: Onde anda a felicidade?


Olhando a chuva, essa foi a pergunta que me fiz hoje... "Onde anda a felicidade?"
Desde que cheguei aqui, tenho passado por algumas dificuldades de adaptação... Choque cultural, divergências de opinião, saudades da família, dos amigos, e o pior dos problemas: a carência!
Putz, leonino é o tipo de pessoa que não consegue viver sozinho.
Aqui eu me sinto sozinho... perdido... É como se eu fosse um cego dentro de um quarto escuro, procurando um gato preto que não tá lá dentro!

Tentei encontrar alguém aqui pra me fazer companhia (estou falando de uma menina, se é que vcs me entendem), mas diferente do que eu imaginei, a primeira, depois de um tempinho que estavamos ficando, até então eu achando que estava tudo bem, chega e diz q não vai dar mais pra gente ficar e rompe sem maiores explicações... Só disse que não queria se envolver!
Então tá, né...

=/

Fiquei um tempo mendigando carinho pelos becos, até encontrar outra menina...
Pensei: "agora vai", mas... não foi tmb!
A história quase se repetiu: "não estou a fim de compromisso sério"...

?????

Porra... não consigo entender... Oq eu tenho de errado? Será que não sou o bastante? Será q sou feio? Será q sou pobre? Será q sou chato? Será q tenho cara de canalha????

Quero encontrar alguém que eu possa me apaixonar sem medos, que eu possa expressar meus sentimentos, mandar flores, comemorar datas, jantar juntos...
Alguém que espere minha ligação e que sorria ao ouvir minha voz... Alguém que faça meu coração bater acelerado quando eu a ver, alguém que me faça sentir saudades se ficar distante...
Alguém que me acompanhe num banho de chuva e que fique sábado a noite em casa comigo, com um vinho, um edredon e um filmezinho na TV...
Dormir de conchinha... abracadinho...

=/

Amigos aqui, só alguns poucos... Não gosto de amigos de aparência ou amigos de "status"! Sabe aquele lance de vc ser "amigo" por interesse? Aqui tem de quilo!
Amigos verdadeiros que gostam de vc pelo que vc é, e não pelo que vc tem é difícil achar em qualquer lugar! Ô raça em extinção!

Ai hoje eu me encontro aqui, num domingo chuvoso, na frente do computador, nerdeando!
Sem amigos, sem uma garota, sem nada pra fazer e sem perspectiva de melhora.

Não, não vou cortar os pulsos após terminar o texto. Vou procurar no porão do meu sentimento um fiapo de ânimo pra tentar correr atrás da mudança...
Agora pouco, olhando um outro blog vi uma frase assim:
"A felicidade se acha em horinhas de descuido..."

Será essa a resposta pra minha dúvida?

PRATO DO DIA: COMO CHEGUEI ATÉ AQUI?

Taí... uma nova fase do blog!
Depois de mó tempão na geladeira, voltei pra atualizar esse buteco aqui com as melhores e piores histórias que uma pessoa pode contar. E já vamos começar com força total contando como eu vim parar aqui em Ji-Paraná...
Se vcs acompanharam os posts anteriores, em agosto de 2006 eu vim passar umas férias por aqui... Voltei pra Dourados, fiz o que tinha que fazer por lá e decidi vir embora pra essa terrinha. Então, com as malas prontas, no dia 04/02/07 eu estava entrando no ônibus, com destino a Rondônia!
Todo mundo tirava sarro dizendo pra eu tomar cuidado com a malária, com os garimpeiros, com os seringueiros e com os índios nativos! Huauhauhauhahu.... Não tem nada disso aqui...
Tá que a cidade é um caos! E até tem na região uma meia dúzia de garimpeiros e afins perdidos por ai... Mas tpw, Jipa (apelido de Ji-Paraná) é uma cidade nova (apenas 28 anos) e não tem uma infra-estrutura que comporte uma população de 120 mil hab. O que falaram é que a cidade cresceu demais em muito pouco tempo.
Bom, aqui eu estou morando na casa do meu irmão e das mães dele (é uma loooooooooonga história) e montei minha micro, mas bem micro mesmo, empresa aqui.
Trabalho com Editoração Gráfica e estou aqui batalhando meu espaço tmb!
Tá foda, viu? É sempre complicado vc chegar em um lugar onde não conheçe nada nem ninguém e ter a boa sorte de se dar bem da noite pro dia! Até que as pessoas te conheçam e tenham confiança no seu serviço leva um certo tempo.
Mas o pior de tudo mesmo, foi o choque cultural que eu sofri ao pisar nesse solo... só que isso é uma história para amanhã!

Grande abraço pra todos!

quinta-feira, 21 de setembro de 2006

Prato do Dia: A viagem de volta!

No capítulo anterior eu contei como foi minha estadia em Vilhena-RO na casa dos meus tios... Fui super bem tratado, não tenho do que reclamar! Me trataram como um verdadeiro príncipe...
Estavamos dentro do carro: Tio Preto (volante) Eu (passageiro) e o Vô e a Vó (pais do tio Preto, no banco de trás). Nós quatro no carro... Tudo mostrava que seria uma viagem tranquila e que sábado à noite estariamos chegando em Dourados-MS...
Pegamos a estrada e deitamos o cabelo rumo à minha cidade... Viajamos a tarde toda e um pedaço da noite, até chegarmos em Cáceres-MT onde paramos para abastecer e jantar. A princípio a intensão era passar a noite por ali, já que meu tio não queria viajar de noite e que a estrada entre Cáceres à Cuiabá-MT estava cheia de buracos, cada um maior que o outro. Como o espírito de aventura sempre fala mais alto, meu tio decidiu que andariamos por mais algumas horas e que passaríamos a noite em Cuiabá-MT. Era umas 23h da noite quando deixamos Cáceres-Mt para trás... O pior estava para acontecer... A morte nos aguardava há apenas alguns km dali...

(aconselho apagar as luzes, colocar uma música de suspense de fundo e não desgrudar os olhos do monitor por nada...)

...noite a dentro nos enfiamos na estrada, cercada por grandes montanhas, ora grandes barrancos. Esse pedaço da estrada é uma área de grandes serras, por isso o grande desnível do solo e as intermináveis curvas. A estrada sempre foi muito movimentada de caminhões, que fazem a ligação entre MT e RO.
Estavamos nós, a 45km de Cáceres-MT, atrás de um caminhão, esperando para ultrapassar... Na primeira tirada que meu tio deu, ele viu que a uns 150m vinha um caminhão no sentido contrário. Estavamos então, atrás de um caminhão, esperando o que vinha no sentido contrário passar para investirmos na ultrapassada, quando de repente e sem avisar, surge em nossa frente grandes buracos com aproximadamente 20cm de profundidade e diâmetro de 2 a 3metros! Não teve como desviar! Os buracos surgiram de baixo do caminhão que estava à nossa frente e como meu tio estava numa velocidade de uns 80km por hora, caiu em cheio nos buracos!
Na hora os dois pneus da esquerda foram estourados e o carro perdeu o controle, entrando na pista da contra-mão, ficando cara-a-cara com o caminhão que vinha do sentido contrário, agora a uns 50m de distância apenas! Em fração de segundos meu tio puxou de novo o carro para pista certa, tentando com todas as forças manter o carro estável! O carro, fora de controle entrou no acostamento e quase bateu de frente num paredão de pedras que fica uns 5m da rodovia...
Paramos... assustados... vendo os dois caminhões que quase nos arrebentaram seguir viagem, cada um para seu destino...
Ficamos imoveis dentro do carro por cerca de uns 2mintutos, até meu tio perguntar se estavam todos bem e descer do carro para avaliar os estragos... E que estragos...

Próximo capítulo tem mais!

Prato do dia: Mexido de um mês inteiro com farofa II

E ae... estou de volta!

Então, retomando a alucinante viagem de férias q eu tive, vou terminar de contar:
Saimos de Ji-Paraná no sábado às 11h, meu irmão e eu! Ele decidiu passar o fim de semana em Vilhena-RO comigo na casa dos meus tios...
A viagem foi tranquila, pegamos chuva no caminho... enfim, chegamos em Vilhena-RO era umas 17:30h da tarde. Meu tio já nos aguardava na rodoviária.
Ficamos na casa dos meus tios (Tio Preto e Tia Cristina) e nossa "guia" foi nossa prima, a Belinha.
Sábado à noite saimos, fomos em um lugar chamado "Picanha" que é como um restaurante aberto... Um "espetinho" com infra-estrutura... =D
Sábado à noite mesmo deixamos nossos tios em casa e saimos, Belinha, Gui e eu... Fomos para uma danceteria lá!
É, foi legal... deu pra se divertir...
Voltamos pra casa e cama!
No domingo, fomos almoçar em um restaurante japonês e passamos a tarde passeando na cidade... Aproveitamos também para no domingo mesmo comprar a passagem do meu irmão, que iria domingo de madrugada de volta pra Jipa-RO pois ele tinha que trabalhar na segunda de manhã. Andamos, andamos e andamos...
Domingo a noite, lá pelas 23h fomos levar meu irmão na rodoviária. Belinha, Gui e eu!
Chegou o ônibus... hora de despedidas... Odeio essa parte! =(
Meu irmão se foi... E eu fiquei... e ficou a saudades... e ficou as lembranças... e ficou a certeza de que eu amo aquele guri cada dia mais!
Eu iria ficar uma semana em Vilhena-RO, afinal pra voltar pra Dourados-MS eu viria com meu tio, que ia descer pra cá trazer os pais dele. E assim a semana passou...
Passeei com a Belinha, conheci pessoas, conheci lugares, fiz amizades... Vilhena-RO é uma cidade relativamente legal pra se viver! Uma cidade de status, mas sussegada!
Chegou sexta-feira! Dia de voltar! Arrumamos as malas e logo depois do almoço partimos para essa terrinha Sul-Matogrossense...
Mal sabiamos nós que a "adrenalina" da volta não tinha nem começado...
(continua)

quinta-feira, 14 de setembro de 2006

Prato do dia: Mexido de um mês inteiro com farofa!

Aeeee... O boteco ficou fechado por uns dias (eu estava de férias em Rondônia) mas estamos reinaugurando com força total...
Vou fazer um resumão de como foram minhas férias em Rondônia...

Saí daqui numa quarta-feira (16/08)... Subi no ônibus lá pelas 19:30h... (o ônibus atrasou pra caralho)...
Enfim: cheguei em Ji-Paraná-RO! Fiquei na casa do meu irmão e das mães dele (não me pergunte)... Encontrei lá uma menina chamada Nayara que simplesmente mudou a minha vida e desfez todos os meus planos que eu tinha até descer daquele ônibus (daqui a pouco eu falo mais sobre ela). Passei uma semana e meia lá. Foi a melhor "uma semana e meia" das minhas férias! Passar esses dias com meu irmão foi uma experiência impar! Aprontamos muito por lá... (Bruninha, Renatinha e afins... Isso te lembra alguma coisa Gui? E Pirulito, te lembra alguma coisa, Edson??? HUahuiehiaehiaheiaheihaieh)...
Não há palavras pra descrever... Sem contar que fui super bem acolhido pela Marisa e pela Flávia (pessoas ótimas e que eu só tenho a agradecer por tudo)! Conheci muita gente legal lá tmb... Pessoas simples, mas com um coração que não cabe no peito!!! Ji-Paraná-RO é uma cidade quente pra caralho, com poeira pra caralho, com pernilongo pra caralho e com muito forró, mas com um povo gente boa (sempre com suas excessões)... Tirei muita foto lá e saimos 2 finais de semana por lá.
Então, voltando à Nay... A Nayara é vizinha do meu irmão e nós nos conhecemos através dele... Foi amor a primeira vista. Quando meus olhos encontraram com os delas eu senti meu coração bater acelerado, aquele friozinho na barriga e uma vontade incontrolável de passar o resto dos meus dias ao lado dela... Usei todas as minhas armas, toda a minha "retórica aristotélica", toda a lábia que Deus me deu pra conquistar essa menina... Não foi fácil, mas depois de muito custo e muita conversa, nós ficamos! =D
Cara, foi uma coisa muito louca que eu resumo a isto: "Rápido, porém intenso!"
Três dias antes de eu ir embora, louco de tudo, pedi ela em namoro e ela aceitou.
Enfim, fui embora de Ji-Paraná-RO, mas deixei metade do meu coração lá!

Amanhã eu conto o resto...
Fim de expediente.

terça-feira, 15 de agosto de 2006

Prato do dia: Domingão dos Pais

12:10h...
Ouço vozes... Sinto cheiro de churrasco... Escuto música... Acho que algo acontece lá fora...
A mesma cara de papel de embrulhar pão de ontem está hoje!
Escovar os dentes, lavar a cara amassada, mijadinha básica, a boa e velha coçada no saco... botei um shorts e saí da toca!
Feliz dia dos Pais a todos os pais e já passei a mão num pernil de porco que estava ali nas imediações da churrasqueira. Um pratão de arroz com salada pra acompanhar e um copo de Coca Cola pra ajudar na digestão! Com esse pernil no meu prato estou me sentindo um primata...
Status: Selvageria e instintos primitivos...

14:00h...
Nada, absolutamente nada pra fazer! Um calor de cozinhar os ovos no saco e nada, absolutamente nada que preste na televisão!
Tomei um banho e fui dar umas voltas de Biz...
Andei pra caralho e não achei ninguém! Tudo bem, já quase na hora de ir pras aulas de teatro mesmo!
Opa, acabo de saber que vamos tocar no Marrom! Pronto, destino pra noite já tem...
Status: vagando...

15:00h...
Teatro: adoro isso! Estamos ensaiando uma peça que se chama "Mãe Coragem e seus filhos"... Um puta texto do caralho que iremos apresentar no fim do ano que vem! Meu personagem já está escolhido, mas não vou contar ainda quem será!
Fizemos uns exercícios lá e acabamos não ensaiando o texto pq algumas pessoas não foram por causa do dia dos pais... Tudo bem, fica pra próxima.
Saí de lá "avuano" pra dar tempo fazer a correria de montar as coisas no Marrom... Olha que foda: cheguei aqui e fiquei sabendo q miou o negócio pq não emprestaram a bateria! Oh meu Deus, e agora? Um domingo a noite inteirinho sem nada pra fazer!
Status: prevejo um tédio...

17:40h...
O Big disse que vai todo mundo pra salinha dele tomar uns "bagúi" e fazer um som lá...
Bora pra lá!
Status: Animado!

19:30h...
Chegamos com todo o aparato pra "montar o circo" e fazer um barulho...
Os presentes: Big, Dalila, Talita, Khoala, Flavinha, Edinho, Krau, Kabeça, Gabriell, Sérgio Bob Esponja, Onildo e Eu!
Adivinha a bebida? Hãn, hãn, hãn? Caaaaaaaaaaaanelinha com Coca!
Sonzera, conversa fiada, bebidas... Digamos que o fim do domingo superou minhas expectativas... Ainda bem! Eu não conseguiria me imaginar sentado na frente da TV assistindo Fantástico.
Status: Rock´n´Roll baby...

00:00h...
A galera com sono começou a se dissipar... Uns pq tinham que trampar, outros pq estavam cansados e outros por cú doce mesmo.
Todos se foram e os que ficaram resolveram assistir "Ray" na casa da Flavinha... Bora pra lá, já que não tinha que acordar cedo na segunda mesmo.... Como é bom tirar férias...
Status: na espreita...

01:00h...
Na sala da Flavinha: Khoala, Flavinha (embolhados), Krau, Eu, Tchuly, bolachinha Club Social, canelinha com coca, bala 7 belo... Porra, um piano! UM PIANO!!!
E o que é pior: servindo de estante para uns porta-retratos... =(
Silencio pq o filme tá começando.... SILÊNCIO, PORRA!
Status: Pssssiiiiiiuuuuuuuuu!

03:00h...
Fim de filme... Puta que pariu... Que filme bom! Puta que pariu, porra! Vai tomar no cú! Cara, achei muito massa o filme... Pra quem não tem a mínima idéia do que eu estou falando, clique aqui.
Status: com vontade de tocar piano.... Ô.o

03:15h...
Estou em casa... Minha avó está acordada pq tem que ir no Hospital e tem que chegar de magrugada se quiser ser atendida... Foda, né? =/
Status: Sono!

03:20h...
Ligo um disk man com uns rocks pra dar um toque na mente... Apago a luz...

Fim do Expediente!